Inadimplência em Instituições de Ensino Superior já chega a 43,5%

De acordo com dados divulgados pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL), o setor educacional passou ser atingido pelas inadimplências. As instituições de Ensino Superior têm participação de 43,5% do setor, sendo três vezes maior que o número de pendências com instituições de Ensino Básico.

Outras atividades de ensino aparecem em segundo lugar no ranking, com 33,7% de participação, enquanto cursos do ensino infantil, fundamental e médio possuem 15% de inadimplência.

De acordo com Marcela Kawauti, economista-chefe do SPC Brasil, isso acontece porque as matrículas em escolas privadas do Ensino Fundamental e médio concentram famílias com renda mais elevada, enquanto a população da classe C agora possui maior acessibilidade ao Ensino Superior.

Apesar disso, o Indicador de Inadimplência da Educação mostrou que houve certa desaceleração no crescimento da inadimplência na educação superior. Isso pode ser reflexo do alto número de jovens que voltaram a trabalhar por causa da desaceleração da economia.

Kawauti acredita que a diminuição da taxa de inadimplência se deve ao fato de que muitos jovens estão deixando de fazer faculdade para procurar um emprego, diminuindo os gastos com educação. Ela ainda ressalta que a taxa de desemprego entre a população de 18 a 24 anos é de 16,2%, muito acima dos 6,4% da população em geral.

Mesmo com o crescimento da inadimplência nos cursos de Ensino Superior, é possível perceber uma desaceleração do total de dívidas em atraso no segmento de educação em geral. Enquanto o indicador registrou uma alta de 8,1% no acumulado de janeiro a maio de 2014, o acumulado de 2015 teve um crescimento de 0,9%.

Fonte: Monitor Mercantil